Início Jogos Bíblicos Imprimir Jogos Testes Bíblicos Frases Evangélicas Papel de Parede
Piadas Evangélicas Desenhos Bíblicos Desenhos Bíblicos p/ Pintar Estudos Videos Evangélicos
Contos Evangélicos Mensagens Evangélicas Poemas Evangélicos Versículos Bíblicos Termos de Uso

6.9.14

A Ovação

    Era a primeira vez que a garota ia cantar na igreja, havendo ensaiado durante toda a semana. Mais tarde, ao chegar em casa, o irmão menor pergunta:
    - Você foi muito ovacionada?
    - Muito, muito mesmo. Ovacionada, tomateada, alaranjada...

Palavras Cruzadas Evangélicas 143

Caça Palavras Bíblico 143

19.8.14

Sorte ou Azar Não São Coisas de Cristãos


C. H. Spurgeon

A palavra "possibilidade" deve ser para sempre banida da conversação cristã. Sorte ou azar é uma ignóbil invenção pagã! Deus faz as regras e controla todas as coisas e Ele não faz nada sem um motivo.

A queda de um pardal sobre a terra está de acordo com o propósito divino e responde a uma finalidade. Cada grão de poeira que é jogado para fora da eira é dirigido por Deus com uma sabedoria tão infalível como a que determina o curso das estrelas. Não há uma folha tremendo em uma árvore no outono que não seja controlada pelo plano e o propósito do Senhor. O arqueiro insaciável da morte não tem permissão para lançar seus relâmpagos aleatoriamente. Cada seta que voa de seu arco tem uma inscrição: Tenho uma mensagem de Deus para você. Um propósito, consistente com o amor e a justiça de Deus permanece escondido na colheita da morte.

"Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo? Rugirá o leão no bosque, sem que tenha presa? Levantará o leãozinho no covil a sua voz, sem que nada tenha apanhado? Cairá a ave no laço em terra, se não houver armadilha para ela? Levantar-se-á o laço da terra, sem que tenha apanhado alguma cousa? Tocar-se-á a trombeta na cidade, sem que o povo se estremeça? Sucederá algum mal à cidade, sem que o Senhor o tenha feito?" (Am 3:3-6)

Monumentos da Graça Divina

C. H. Spurgeon

"Vós mesmos, como pedras vivas, estais sendo edificados em uma casa espiritual para serdes sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus através de Jesus Cristo." (1Pe 2:5)

Deus constrói um palácio para si mesmo no céu feito de "pedras vivas". Onde é que Ele as consegue? Ele vai buscar, quem sabe, os mais ricos e os mais puros mármores das pedreiras de Paris? Não! Cristãos, olhem para "o buraco do poço de onde vocês foram escavados" e para "a rocha de onde foram cortados"! Vocês se encontravam cheios de pecados. Longe de serem pedras que estavam brancas de pureza vocês estavam, na verdade, enegrecidos com mácula, parecendo totalmente incapazes de serem usados como as pedras do templo espiritual, o qual seria a morada do Deus Altíssimo. E no entanto Ele os escolheu para serem os troféus da Sua graça!

Joalheiros fazem jóias requintadas a partir de materiais preciosos; eles formam de ouro as pulseiras e os anéis. Mas Deus faz as suas jóias a partir de materiais comuns. Dos negros pedregulhos de riachos contaminados Ele tomou as pedras as quais Ele colocou no anel de ouro do seu amor imutável, para torná-las jóias brilhantes em seu dedo para sempre. Ele não escolheu os melhores mas, aparentemente, os piores dos homens para serem os monumentos da Sua graça!

O Amor Soberano de Deus

C. H. Spurgeon

"Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim." (João 6:37)

Esta declaração envolve a doutrina da eleição. Há alguns a quem o Pai deu a Cristo.

Ela envolve a doutrina do chamado eficaz. Estes que são dados devem vir e virão. Porém fortemente podem opor-se ainda que devam ser levados para fora das trevas, para a maravilhosa luz de Deus.

Ela nos ensina a necessidade indispensável da fé. Mesmo aqueles que são dados a Cristo não estão salvos exceto se eles vêm para Ele.

Mesmo assim eles devem vir, pois não há outro caminho para o céu a não ser através da porta, Jesus Cristo. Tudo o que o Pai dá a nosso Redentor deve vir a Ele, pois ninguém pode ir para o céu a não ser que venha a Cristo.

Oh! O poder e a majestade que se baseiam nas palavras "virá a mim." Ele não diz que eles têm o poder para vir nem que eles podem vir se quiserem, mas que devem vir.

O Senhor Jesus, por seus mensageiros, sua palavra e seu Espírito, doce e gentilmente obriga os homens a virem para que eles possam comer a ceia do casamento. E isto ele faz não por qualquer violação do livre arbítrio do homem, mas pelo poder da sua graça.

O Senhor Jesus sabe por irresistíveis argumentos dirigidos à compreensão, por razões poderosamente atraentes para as nossas emoções e pela misteriosa influência da operação do seu Espírito Santo sobre todos os poderes e paixões da alma de que modo subjugar o homem completamente, de maneira que ainda que ele era um rebelde anteriormente cede alegremente ao seu governo, subjugado pelo amor soberano!

Mas como devem ser conhecidos os escolhidos de Deus? Por esse resultado: que eles, de bom grado e alegremente, aceitam Cristo e vem a Ele com fé simples e sincera, descansando nEle como sendo toda a sua salvação e todo o seu desejo.

Leitor, você tem desta maneira vindo a Jesus?

A Base da Predestinação

Octavius Winslow


Não existem suposições, conjecturas ou contingências com Deus no que diz respeito ao futuro. Não só ele sabe tudo, mas por Ele todas as coisas foram  fixadas, nomeadas e Ele ordenou "todas as coisas segundo o conselho da sua própria vontade."

Parece impossível formar uma ideia correta de Deus dissociada da ideia da predestinação. A única base da predestinação é a "crença" prática de que Deus é eterno e infinito em e sobre tudo. Predestinação é a pré determinada nomeação e disposição de Deus para todas as coisas de antemão segundo a Sua vontade divina e suprema.

Deus arranja de antemão, predetermina e supremamente rege sobre todas as preocupações do nosso mundo. Ele corrige uma constelação no céu, orienta as oscilações de um pássaro no ar, dirige a queda de uma folha de outono no deserto sem caminhos e dirige a semente carregada pelo vento para o local onde ela deve cair.

Na predestinação vemos o amor eterno de Deus e sua escolha mais livre, o seu povo, para ser o seu tesouro especial e peculiar. Que doutrina é mais esvaziante, humilhante e, portanto, mais santificante do que a predestinação? Coloca o machado na raiz de toda vanglória humana. À luz dessa verdade o crente mais santo vê que não há diferença entre ele e o mais vil pecador que se arrasta na terra, somente o que a mera graça de Deus fez.

Uma bênção proveniente da doutrina da predestinação é a submissão doce e santa que ela coloca na mente em todas as dispensações aflitivas. Cada etapa da sua peregrinação e cada episódio de sua história o crente vê inscrito no pacto eterno de graça. Ele reconhece que a disciplina da aliança é tanto uma parte do plano original quanto qualquer misericórdia positiva que ele contém. Que todos os cabelos da sua cabeça estão contados, que a aflição não brota da terra e, portanto, não é o resultado de um acidente ou azar mas está em harmonia com os propósitos do Deus de amor, que assim ordenados e permitidos devem trabalhar juntos para o melhor.

O brilho que a predestinação reflete sobre toda a história dos filhos de Deus, o repouso e a calma que ela difunde sobre a mente em todos os desconcertantes, dolorosos e misteriosos eventos dessa história, só pode ser compreendido por aqueles cujos corações tenham recebido plenamente esta doutrina - seja o que for que lhe suceda. Inexplicável em seu caráter, envolto na mais profunda tristeza, conforme as circunstâncias, o crente nessa verdade pode "ficar tranquilo" e, calmamente examinando a cena, exclamar: "Isso também provém do Senhor dos Exércitos, que é maravilhoso em conselho e grande em obras. Aquele que faz todas as coisas segundo o conselho da Sua própria vontade tem feito isso, e estou convencido de que é muito bem feito!"

O Senso de Predestinação absoluta

Jerome Zanchius (1516-1590)


Sem o devido senso de predestinação não teremos o mais seguro e o mais poderoso incentivo para a paciência, resignação e dependência de Deus em cada aflição espiritual e temporal. Quão doces devem ser as seguintes considerações para um crente aflito:

1) Existe, certamente, um Deus onipotente, onisciente e infinitamente misericordioso.

2) Ele tem me dado, em tempos passados, e está me dando neste momento (se eu somente tiver olhos para ver) muitas sutis sugestões e sinais de Seu amor por mim - tanto na forma de providência como de graça.

3) O amor Dele é imutável, Ele nunca se arrepende deste amor nem o retira.

4) Tudo o que vem a suceder no tempo é o resultado de Sua vontade desde a eternidade.

5) Por conseguinte minhas aflições faziam parte de Seu plano original e estão todas ordenadas em número, peso e medida.

6) Os cabelos da minha cabeça estão todos contados por Ele, nem um único deles pode cair ao chão a não ser em conseqüência de sua determinação.

7) Conseqüentemente minhas angústias não são o resultado do acaso, acidente ou uma combinação de circunstâncias fortuitas.

8) São, verdadeiramente, a realização providencial do propósito de Deus.

9) Elas estão destinadas a trazer à existência certos objetivos sábios e graciosos.

10) Nem deverá a minha aflição continuar por um momento além do que Deus julga necessário.

11) Pois aquele que me colocou nela prometeu apoiar-me sob ela e conduzir-me através dela.

12) Tudo deve, com toda a certeza, trabalhar conjuntamente para a Sua glória e o meu bem.

13) "O cálice que meu Pai celestial me deu para beber, não hei de beber? (Jo 18:11)"

Sim, eu irei. E na força que Ele me dá até mesmo me alegrarei na tribulação. Irei comprometer-me e as circunstâncias de minha vida a Ele cujo propósito não pode ser derrubado, cujo plano não pode ser perturbado; e que, se eu estiver de acordo ou não, continuará a operar todas as coisas segundo o conselho da Sua própria vontade.

Acima de tudo, quando o cristão sofredor tem a sua eleição em conta ele sabe que foi, por um ato eterno e imutável de Deus, apontado para obter a salvação por nosso Senhor Jesus Cristo; que naturalmente ele tem uma cidade preparada para ele acima, um edifício de Deus, uma casa não feita por mãos mas eterna nos céus, e que os maiores sofrimentos da presente vida não são dignos de ser comparados com a glória que será revelada nos santos. Qual adversidade pode eventualmente suceder-nos que a esperança de bênçãos garantidas como estas não superará infinitamente?

Um conforto tão divino pode muito bem resistir as provações. Ainda que sejam grandes as aflições que possam vir a ferir-nos repentinamente contudo, sob a impressão de tais perspectivas animadoras, devemos voltar rapidamente ao nosso equilíbrio mais uma vez, e as setas da aflição terão em grande medida perdido sua capacidade de fazer-nos mal. Os cristãos não precisam de nada mais do que resignação absoluta para torná-los perfeitamente felizes em todas as circunstâncias possíveis. E resignação absoluta só pode decorrer de uma crença absoluta na, e uma concordância absoluta com a, absoluta providência de Deus fundada sobre a predestinação absoluta.

Deus e os Seus Escolhidos

C. H. Spurgeon

No início quando este grande universo ainda estava na mente de Deus como florestas não-nascidas em um pote cheio de sementes, antes que os ecos caminhassem na solidão silenciosa, antes das montanhas serem tiradas do nada e muito antes da luz piscar através do céu, Deus amou os seus escolhidos, homens e mulheres. Antes mesmo de haverem homens e mulheres, quando o céu não fora ainda agitado pela asa de um anjo, quando o próprio espaço não existia ainda e quando não havia nada além de Deus, mesmo assim, naquela solitude da Deidade e naquele silêncio profundo e naquela imensidão Seu coração movia-se por Seus escolhidos. Seus nomes estavam escritos nele e tornaram-se caros à Sua alma.

"Porque este é Deus, o nosso Deus para sempre e eternamente. Ele será nosso guia até o fim." (Sl 48:14)